segunda-feira, 18 de abril de 2016

O IMPEACHMENT E A POLÍCIA MILITAR

Nos últimos dias as manchetes da mídia brasileira em geral (e até mundial), tem girado em torno do processo de impeachment  da Presidente da República em tramitação no Congresso Nacional (inicialmente na Câmara dos Deputados e após no Senado Federal).
As manchetes tomaram a mídia justamente pela importância e relevância do momento em que o Brasil atravessa. O momento é muito delicado, pois existem interesses múltiplos em jogo, com mobilizações de rua da sociedade contra e pró-impeachment, e os possíveis confrontos são iminentes devido às paixões envolvidas, colocando em risco a ordem pública local, regional e até nacional.
Sem entrar no mérito ou nos detalhes técnicos e legais do referido processo, gostaria de nesta postagem mencionar talvez o fato mais importante de tudo, porém que até agora, tem passado despercebido pela mencionada mídia e, por consequência da própria sociedade brasileira.
Trata-se justamente da presença da ORDEM nas manifestações públicas levando aos brasileiros de ambos os lados a tranquilidade para que exercitem o constitucional e sagrado direito de se manifestar conforme sua preferência e opinião.
Diante dessa afirmação e constatação inconteste, tanto que não há relatos de quebra da ordem média ou grave nas manifestações exceto pequenos delitos ordinários, há que ser avaliada a postura, a atitude e a capacidade da POLÍCIA MILITAR, auxiliada pelo Corpo de Bombeiros Militar, e outras forças de segurança.
A POLÍCIA MILITAR tem demonstrado, como mencionado, que é a primeira garantidora da livre expressão da sociedade, seja qual for seu lado.
Se não fosse o trabalho e a postura imparcial da POLÍCIA MILITAR em todas as cidades brasileiras, garantido o direito de expressão de todos, a desordem teria imperado como alguns imaginavam acorreria.
A POLÍCIA MILITAR está com maestria cumprindo sua missão constitucional de POLÍCIA OSTENSIVA e PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA, tudo em prol da sociedade, de toda a Pátria e da democracia Brasileira.
Não tenho dúvidas, e penso haver consenso nisso, de que todo o processo de impeachment não seguiria com tranquilidade nas ruas sem a atuação equilibrada e qualificada da POLÍCIA MILITAR realizada através de seus militares quase sempre esquecidos.
É evidente que o processo de impecment ainda não está concluso e que ainda haverá muitas manifestações públicas, no entanto, não tenho dúvidas de que a POLÍCIA MILITAR manterá em todo o País a mesma postura no sentido de ostensivamente preservar a ordem pública.
A Instituição POLÍCIA MILITAR tem demonstrado que é capaz, que cumpre sua missão, que possui militares profissionais e de alta capacidade, que possui compromisso com a nação, com a sociedade, com a democracia e que é a primeira e verdadeira garantidora dos direitos do cidadão seja qual for sua opinião, preferência ou condição social.
A POLÍCIA MILITAR e seus militares integrantes estão acostumados serem, ao longo do tempo, esquecidos e criticados pela mídia e parte da sociedade, porém agora, neste momento delicado o que se espera é o reconhecimento da sua capacidade, só isso.
Espero, sinceramente, ver nas manchetes midiáticas um, pelo menos um, elogio à POLÍCIA MILITAR com o reconhecimento do bom trabalho da Instituição. É o mínimo que se espera.
         A reflexão que fica: haveria democracia plena no Brasil sem a POLÍCIA MILITAR?


MARLON JORGE TEZA

7 comentários:

  1. Nem sem a Polícia militar nem sem as Forças Armadas... É necessário haver a possibilidade de repressão para o cumprimento das Leis. Caso contrário não se teria o respaldo necessário...

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo Cel PM Marlon, como já dizia o poeta, a caneta sem a espada é pura obra de ficção. O que ocorre é que, infelizmente, no segundo Estado do Pais, em arrecadação, implantou-se dois novos conceitos. O primeiro, o da restauração dos títulos nobiliárquicos do Império, onde Condes, Barões, Viscondes, Duques (Desembargadores, juízes, Procuradores, Promotores, Deputados, etc) , recebem seus salários, oriundos dos impostos que o Povo a quem protegemos diuturnamente, paga religiosamente, à frente dos funcionários públicos de 3ª e 4ª categorias( nós, PM). E o segundo conceito , este mais atual, é que o principio do Estado de Necessidade, do Código Penal, também passou a vigorar coletivamente em nosso território, ou seja , como só tem uma tábua de salvação ( dinheiro em cofre público), convencionou-se, legalmente, matar de fome, de sede e de frio, todos os inativos e pensionistas de nossa bissecular PMERJ, claro, com exceção daqueles que detém os ditos títulos nobiliárquicos. Lamentável, extremamente lamentável.

    E ai caro amigo, cabe também uma pergunta:

    É DEMOCRACIA CONVIVER DIUTURNAMENTE EM SEUS LARES COM A DESORDEM PUBLICA E AO MESMO TEMPO PRESERVA-LA PARA TODOS ??

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvidas, nada funciona nem tem ordem, nem garantia de direitos sem a presença policial, no nosso caso da Polícia Militar, primeira instituição a socorrer para garantir os direitos. Aqui no Brasil as pessoas não se dão conta da importância das Polícias Militares nestas garantias, porque pouco se divulga o trabalho delas, preferindo expô-la unicamente quando alguma coisa não dá certo ou não transcorre como queriam.
    Grosso modo comparando, a coisa funciona como na produção de um filme. Prêmios são entregues aos que estão em primeiro plano, aos artistas e aos diretores, mas ninguém lembra que por trás de tudo isto e para que o sucesso do filme ocorra, há por trás de tudo uma câmera que é magistralmente conduzida por um anônimo e é o responsável pela captação das melhores e mais significativas imagens que acabam premiando atores e diretores.
    O dia em que tivermos no Brasil a devida consciência para se fazer justiça, as Polícias Militares certamente serão tratadas com o devido respeito que merecem pelo seu trabalho de garantir a ordem, a segurança e os direitos, embora não sejam os que correm para a iluminação dos holofotes.

    ResponderExcluir
  4. As policias militares tem um papel importantíssimo na sociedade, ela é responsável pela preservação e manutenção da ordem pública, estabelecendo o equilíbrio e a paz social através de ações características de uma polícia cidadã e para os cidadãos, temos uma polícia qualificada nos princípios da lei e da dignidade e respeito a vida humana, apta para ações repressivas com o uso progressivo da força se necessário, mas semore pautada no cumprimento da lei e nos princípios democráticos de direito. Parabéns pelo belo artigo Cel PM RR Malon Jorge Teza

    ResponderExcluir
  5. Enquanto for mantida a disciplina, já que a hierarquia está plenamente abalada, acredito que a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar continuarão sendo o braço forte do estado de Direito, obedecendo as normas constitucionais.

    ResponderExcluir
  6. É muito bom saber que a Polícia Militar de Santa Catarina está comprometida com a ordem democrática e garantia das liberdades civis. O mesmo não se pode dizer de outras PMs pelo Brasil, a exemplo de São Paulo e do Distrito Federal - onde a ação tem se pautado pela discriminação de um dos lados do espectro político. Parabéns à PMSC pelo equilíbrio e postura republicana.

    ResponderExcluir