domingo, 18 de dezembro de 2011

SERÁ QUE SÓ A POLÍCIA É CULPADA ?

Provavelmente está será a ultima postagem do ano em meu blog, bem por isso achei importante abordar um tema importante relacionado aos homicídios registrados em todo o território brasileiro. Peço também que com o “espírito desarmado” os leitores realizem suas análises e tirem suas conclusões. A postagem abaixo não se trata de mera defesa da POLÍCIA e sim uma proposta para novas posturas de todos nós como sociedade.
Conforme o “EX-BLOG DO CESAR MAIA” divulgou não último dia 16 de dezembro de 2011 “No Brasil todo o número de homicídios em 2000, foram 45.360, já em 2010 foram 49.932, um crescimento de 10,1% menor que a taxa de crescimento da população no período de uns 30%.” Dados contidos no Mapa da Violência - 2 0 1 2 - Os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil do Instituto Sangari.  
É verdade que não estão sob análise outros tipos de crimes, até porque as estatística disponíveis são escassas e não muito confiáveis, porém, as estatísticas de homicídios registrados, conforme acima mencionado, dá bem uma ideia a quantas anda a criminalidade brasileira.
Como visto, se levado em conta o crescimento dos homicídios registrados na última década em relação ao aumento da população houve uma considerável desaceleração de tais registros, ou seja, nesse importante quesito mundialmente reconhecido e adotado para medir a criminalidade, as “coisas não vão tão mal assim” demonstrando estar ainda sob controle.
Por outro lado, estatísticas dos órgãos oficiais ligados ao sistema prisional brasileiro (diariamente divulgados pela mídia) demonstram um crescimento vertiginoso de pessoas presas pela polícia. A maioria dessas prisões são efetuadas em “flagrante delito”, ou seja, no ato (ou logo após conforme definido em lei) do cometimento de delito pela polícia. Segundo ainda notícias diárias veiculadas também pela mídia as prisões se encontram “abarrotadas” e, muitas vezes, sem condições mínimas de segurança e tratamento humano traduzindo em rebeliões e outros eventos violentos importantes. Também é importante destacar que atualmente há cerca de 300.000 mandados de prisão a serem cumpridos em todo o Brasil.
O que se deduz, então, é que a polícia está cumprindo o seu papel quanto ao crime ou denominado “combate ao crime”. Em que pese todos os problemas existentes em alguns Estados da Federação onde estas (polícias) não recebem o tratamento adequado dos governantes e demais gestores públicos, mesmo assim a polícia está trabalhando e muito no sentido de dar conta de suas tarefas no cotidiano.
Constantemente vemos a mídia e segmentos da sociedade (provocado pela primeira) reclamar somente da polícia.
É evidente que a polícia tem suas mazelas e seus problemas, no entanto, mesmo assim, “está dando conta do recado”. É necessário então que as cobranças recaiam não só nas polícias e sim, também, sobre os Governantes e demais Gestores Públicos e na própria sociedade, respeitando assim, inclusive, uma previsão Constitucional contida no caput do seu Artigo 144 que trata da segurança pública: “A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos,[...]  (grifei).
Como disse no início desta postagem, é necessária uma análise mais profunda antes de “cobrar” só da POLÍCIA. Ela está procurando fazer a sua parte mesmo que “aos trancos e barrancos” (conforme ditado popular), os resultados estatísticos já referenciados assim demonstram.
Por hoje é só. Saúde e paz a todos os leitores.
MARLON JORGE TEZA

3 comentários:

  1. Coronel, certamente somos o "Severino" das mazelas sociais. Se prendemos muito, somos repressivos. Se mediamos, somos permissivos. Se realizamos operações preventivas, somos taxados de atrapalhar a vida social.

    Enfim, somos a Polícia, instituição que, no Brasil, vive na tênue linha que separa os ditos cidadãos de bem, daqueles que vivem à margem da sociedade.

    Um dia o debate sobre isso será sério e com assunção de responsabilidade de todos os segmentos da sociedade. Acredito que não participarei disso na ativa, mas gostaria de poder contribuir como cidadão na reserva.

    Parabéns pela abordagem e pela visão clara sobre toda essa situação.

    Grande abraço

    Carpes

    ResponderExcluir
  2. TCel PMERJ RR Emir Larangeira19 de dezembro de 2011 08:53

    Prezado Coronel Marlon Jorge Teza, nosso mui digno representante nacional, este é um dado muito interessante, em especial porque vai na contramão da principal assertiva do mestre Manuel López-Rey no sentido de que o crime cresce na proporção do aumento populacional ou até mais rápido. A questão maior que antevejo, porém, é a de que não somos sumidades em estatística; usamo-la bem mais como fim do que como meio para interferir em novos planejamentos e na correção de rumo dos planos antigos. Portanto, creio que as alvíssaras devam ser desconfiadas, pois há uma "cifra negra" (crimes não relatados) que parece não existir no nosso contexto de exclusão social em que muitos desaparecem do mundo tal como chegaram, ou seja, sem qualquer registro de nascimento ou documento comprovador de suas existências. Mesmo assim, como Cesar Maia é um dos que sabem tratar a estatística cientificamente, ele deve ter bons fundamentos para afirmar o fenômeno, que, mesmo sob esta ótica otimista, merece um olhar desconfiado neste país das manipulações estatísticas.
    Um Feliz Natal e um promissor Ano Novo!

    TCel PMERJ RR Emir Larangeira

    ResponderExcluir
  3. Coronel Laranjeira,
    Também fiquei surpreso, porém a pesquisa (mapa da violência) , como mencionado, pode ser acessada pelo link:
    http://media.folha.uol.com.br/cotidiano/2011/12/14/mapa_da_violencia.pdf
    O que quis dizer é que a polícia, mesmo com todas as dificuldades, está cumprindo sua tarefa e que o Executivo, o Judiciário, o Legislativo e a própria sociedade (que geralmente saem em leso das cobranças) também devem necessariamente fazer a sua parte.
    Um fraternal abraço e grato pelo seu oportuno comentário.
    MARLON JORGE TEZA
    Coronel PMSC RR

    ResponderExcluir